Wednesday, February 25, 2015

A 80%

Já fomos ao hospital e em princípio não será um problema auto-imune, o que é óptimo. Diz a médica que deve ser uma rinite alérgica. Tivemos que tirar mais sangue para fazer mais análises e o pobre só dizia, como quem recusa a segunda sobremesa, "não, eu não quero." Mas tirou e não chorou. 

Mas a verdade é que o miúdo não está bem. Está com um ar super cansado e anda demasiado calminho, chochinho e com olheiras. Amanhã vou buscar o rx toráx e marcar consulta no pediatra. 

Croissant com?

Esta é a grande anedota dele, criada por ele e já a posta em prática por nós. 

Primeiro pedi eu, um croissant com queijo. Depois ele, um croissant. Com quê? Perguntou a menina. Com um pastel de nata! respondeu ele com os olhinhos a rir de satisfação. 

Acrónimos

O M descobriu os acrónimos e por isso agora manda mensagens cheias de LOLs, OMG, FYI, etc. E ri-se. Muito. 

House M.D.

Eu e o M temos visto alguns House juntos. E vai dai hoje apanhei-o a andar pela casa dizendo, "do an MRI". Ter filhos é muito entretido. :)

Thursday, February 19, 2015

2 semanas (sem ipad)

Odeio-te!! Nunca mais te quero ver!!! Vai-te embora!!! Não gosto de ti, és um monstro!!! Hoje é o pior dia do mundo!!! Tu nunca fazes nada do que eu quero!!!! És má!!! És uma chata!!!

Tudo isto foi ouvido nos últimos dois dias lá em casa. Ontem deu direito a uma, e depois duas semanas sem ipad. Mas o que me preocupa é a violência das reacções dele. Ontem o nosso dia foi assim: às 10 da matina o primo dele veio lá a casa e ficou até às 16.30. Depois fomos ao médico levar uma vacina e mostrar os resultados das análises. Ele fartou-se de resmungar porque não queria esperar no médico. Chegámos a casa e ele foi brincar com o vizinho porque eu tinha que trabalhar. Fui buscá-lo já passava das 20. Quando chegámos a casa ele pediu-me para ver uma teoria do big bang, disse que sim mas primeiro ele tinha que tomar um duche. E pronto, abriram-se as torneiras do inferno: choros, gritos e insultos. 

Eu tenho pena dele. Da falta de controlo que ele de repente tem sobre o seu corpo. Mas há limites e não quero estar a criar um puto que só sabe pensar em si próprio. Além disso, e como já lhe expliquei, nós somos só dois e eu preciso que ele me ajude. 

Desde pequenino que o M de tempoa a tempos precisa de um frente-a-frente, como se fôssemos dois animaizinhos a ver que manda. Mas quando ele era pequeno era mais fácil. 

Eu tenho um bocado de medo se, depois de ter feito um bom trabalho, estar agora a lixar isto tudo.  


Tuesday, February 17, 2015

Tertúlias

Entramos no carro e ele diz, "então a que é que vamos falar? Voltamos ao tema de antes de sair do carro, a crise na Grécia?"

Habermas, watch it and learn!

Quem quiser juntar-se às nossas tertúlias é só pedir boleia. 


Monday, February 16, 2015

Ter um filho de 9 anos

Ter um crio de 9 anos tem coisas boas: deixámos para trás o.Noddy, o Ruca, os Gormitis, e começámos a ver coisas dos anos 80. Já vimos o 'Cocoon', 'Os deuses devem estar loucos', 'Crocodile Dundee', 'Regresso ao futuro', e até 'O parque Jurássico'. Mas também tem coisas más - sou obrigada a ver todas as sequelas dos filmes acima citados. 

Análises

Fomos fazer as análises. Correu bem, mas tão bem. Ele não chorou, nada. Simplesmente disse que doía e que já estava. Depois fizemos prova do suor e rx torax. O que não fizemos foram as análises não comparticipadas pelo SNS. Ficava em 400€!! (A médica tinha dito para não fazer se fossem muito caras). Já só falta fazer as vacinas (e cortar o cabelo que é mais difícil do que tirar sangue).

Sunday, February 15, 2015

Young and wise

O M queria comprar o novo brinquedo da moda. Disse-lhe que, se se porta-se bem amanhã quando for fazer análises eu lhe oferecia uma caixa de 11€. Fomos ao toysrus mas não havia caixas de 11€ só havia uma de 37€. Ficámos por isso num dilema: eu pago metade, mas ele só pode brincar com metade dos brinquedos agora, a outra metade é para depois das análises. Mas ele quer brincar com eles agora e por isso oferece outra solução: ele paga tudo e depois das análises eu dou-lhe metade. Mas eu preciso que ele se porte bem quando formos tirar sangue, e o M nunca tirou sangue, e é muito teimoso por isso eu quero MESMO que ele queira aqueles brinquedos. Por isso, digo-lhe que se ele os guardar eu dou-lhe metade do dinheiro, se não só lhe dou 10. 

O M é poupadinho. Ainda me lembro da vez que ele desistiu de comprar um gelado porque ia gastar do dinheiro dele. A mesada dele são 10€, ou seja, o brinquedo é caro. Ele pensa, pondera e decide: vai comprá-lo ele. 

Chegamos a casa, ele vai direito ao mealheiro e dá-me o dinheiro. E eu pergunto-lhe, então M como é que te sentiste ao ir buscar o dinheiro? É muito dinheiro! Não te sentiste mal? Ele está deitado no chão e não se vira nem responde. Passado uns segundos diz, perguntaste como é que eu me senti e se eu me senti mal. É claro que me senti mal! Mas tomei a decisão e já está. 

Pois, filho, a mãe tem muito a aprender. 

Wednesday, February 11, 2015

O grande compositor

Na reunião de pais do M as professoras vieram ter comigo, explicaram-me que já me tinham ligado, e tudo pra me informarem que um texto do M tinha sido escolhido entre todos os da escola para representar o 1o ciclo - ou se calhar era só o 3o e 4o ano... - uma grande honra portanto. Mas por favor não deêm os parabéns ao meu filho. Ele está frustradissimo, diz que o texto era uma porcaria e que ele até o escreveu como se fosse bébé. Sobre o que é o texto, disso não se lembra, mas é mau. E pior, lá na escola os meninos do 4o ano até já gozaram com ele e chamaram-lhe "o grande compositor!!".  Uma ofensa imperdoável, se ele soubesse o que é que eles querem dizer com isso!

Mais a sério, texto de bébé ou não merece os parabéns. E já lhe expliquei que na escola muitas vezes o preço a pagar por ser inteligente é ser gozado. E

Com febril

O M sempre inovador na sua relação com o Português criou um novo nome, diz ele que está "com febril". Também continua a "dar" emails e agora até "dá" facetimes. Fica a ideia.  Eu já me converti ao "játamente" para quando preciso de algo "já, imediatamente"

Tuesday, February 10, 2015

Memória selectiva

O M voltou para a escol e levou um papel meu a explicar o que tinha passado para ele dar às professoras. Quando o fui buscar perguntei-lhe se elas o tinham lido e se tinham respondido.
Sim, disse ele. 
E o que é que escreveram?  
Só me lembro da primeira frase. 
E que dizia? 
Ainda bem que já temos o nosso M de volta! 
E o resto? 
Não me lembro. 

Monday, February 9, 2015

Regresso à escola

Depois de duas semanas em casa doente o M só tem uma coisa a dizer, "eu devia ter aproveitado melhor o tempo!" 

Tuesday, February 3, 2015

Relatos de uma pneumonia

É 3a feira dia 27. O M anda cheio de tosse mas sem febre. Queixa-se de dores de barriga. Resolvo mantê-lo em casa porque o ano passado a pneumonia dele começou assim sem fazer crer que nada sério aí vinha. Telefono para a linha saúde 24, e realmente gosto deste serviço. Dizem -me que ele deve ser visto por um médico mas que não é urgente. Voltarão a ligar no dia seguinte. O dia passa-se sem febre, mas com muita tosse.

A noite é a loucura. O M acorda por volta das 23 e muda-se para a minha cama. Queixa-se entre resmungos de não conseguir dormir "por causa da varinha de sabugueiro". Sendo perita em Harry Potter sei que estamos a falar da varinha do Dumbledore. Levanto-me tantas vezes e estou tão cansada que a certa altura tenho medo de na próxima vez não conseguir acordar. Mas consigo. Dou-lhe o antipirético, troco-lhe a roupa que está molhada de suor, assouo-o, e ele diz que quer dormir comigo, "assim" e enrosca-se a mim e finalmente dorme. 

Quando acordamos percebo que na noite anterior ele teve um pico de febre tão alto que alucinou. Com o Harry Potter, claro. Ele fala como se fosse um sonho, e eu sinto-me (ir)responsável por não ter acordado para ajudá-lo. Ligo para a saúde 24, mando SMS ao pediatra e vou para SFX. Somos atendidos em menos de nada. O M é oscultado por dois aprendizes de feiticeiros (espera, de médicos) que dizem que ele tem X e Y - descubro, mais uma vez, que quando estou muito nervosa não oiço ou então não memorizo. Vem a médica chefe, esta sim era mesmo uma bruxa, e confirma diagnóstico - tem de fazer rx e aerossol. M diz que se sente mal, eu pergunto à médica se há algo que possa fazer por ele e ela responde, "não". Depois olha para mim como se me fosse bater por eu não ter obrigado a criança a comer o pequeno almoço e tenta ela obrigá-lo a beber um chá dizendo que "não importa que não gostes, tens de beber". Eu digo-lhe que só bebe se quiser, mas que coma as bolachas. RX feito, aerossol feito, e vamos falar com médica. Mais uma pneumonia. Explico que é a segunda em dois anos consecutivos e pergunto se posso ter cópia da radiografia. A bruxa diz que não. Receita -lhe azitromicina. 

Passam 4 dias. Ele nao volta a ter febre mas tambem nao esta bom. É Domingo e o antibiótico acaba hoje. Vou-lhe dar um beijo de manhã e ele queixa-se que o magoei na bochecha. Olho mas não vejo nada. Mais tarde reparo que tem a cara inchada. Tem o gânglio do pescoço tão inchado que fica com uma bochecha de esquilo. Começo a entrar em pânico: gânglios inchados são sinais de infecção e ele acaba de fazer 5 dias de antibiótico. E ainda tem pieira quando respira e tosse muito. Mas pelo menos não tem febre. À noite ele queixa-se que não se sente bem. Ponho-lhe o termómetro: 38.5. 38.5 depois de 5 dias de antibiótico!!! Ainda bem que já temos consulta de pediatra para amanha. 

A noite e' mal dormida. O M acorda, mais uma vez por volta das 23h, e translada-se para a minha cama. Mas desta feita desata a gemer a chamar por mim. Eu estou na sala a trabalhar mas desligo o computador e explico que vou so lavar os dentes. Ele fica na cama de bracos estendidos a dizer, "ama, eu quero-te a ti aqui". Quando chego a cama ele dorme mas agarra-se a mim.

2a às 14.30 falamos com pediatra (com quem mantive contacto durante estes dias). A pneumonia ainda não está curada, e ele tem também infecções no ouvido e nariz - isto está tudo ligado. O inchaço (tumefacao, e' o termo usado pelo medico) do gânglio deve vir dessas infecções. Saimos de lá com mais uma amoxicilina, regada a ventilan e atrofen. Falo como o medico sobre o meu medo destas pneumonias recorrentes, ele concorda e da-me uma requisição para fazer análises e outro RX ao peito para se fazer um estudo da situacao. 

Hoje é 3a e o M ainda me está a fazer febre. Febre baixa, mas febre. No ano passado ele esteve muito pior mas quando lhe dei o segundo antibiótico foi como se tivesse ligado um interruptor, passamos da noite para o dia. Desta vez não. Ele nao está tao prostrado como da ultima vez mas tambem nao se poe bom, está simplesmente molinho, febril, com pouco apetite. 

E já disse que 5a tenho uma entrevista de trabalho em Londres? Estou em pânico com a ideia de o M não estar bem e eu ir sair do país.

Vamos la a ver como passa o dia de hoje. Fingers crossed.