Wednesday, December 31, 2014

Cookies (1)

No fim de semana passado foi assim!! Mas a massa saiu mal e foi um verdadeiro cabo dos trabalhos fazer isto. Mas proximo do Natal repetimos. 



Depois fizemos saquetas para oferecer na escola. O miúdo estava radiante :)




Grrrande!

Ontem vim ao corte ingles comprar roupa para o M. Comprei umas calças, camisa e t-shirt tudo tamanho 12. Hoje voltei. Estava tudo pequeno. Ai!!!

P.s. Os sapatos são 38...

Sunday, December 28, 2014

Lego!!!

Este foi o Natal do Lego!! Aqui o M rodeado pelos conteúdos de *uma* caixa de Lego. As outras 8 já estão feitas. 


Monday, December 22, 2014

Riquezas

Ha uns meses atras comprei uma cama nova para o M. Depois de a ter comprado verifiquei que o colchao da cama antiga nao cabia na nova. Ja depois disso a companhia de seguros disse-me que afinal nao vinham buscar a cama antiga e eu podia ficar com ela. Resultado fiquei com uma cama completa, com um colchao optimo, a mais.

No inicio do mes decidi que este ano queria uma arvore de Natal grande. Andei a ver arvores naturais mas acabei por me decidir por uma artificial mas de 1.80m. Fiquei com uma arvore de natal a mais.

E pus dois anuncios no OLX. Como sou ma, pessima, vendedora optei por precos baixos. 45 para a cama, 15 para a arvore. A cama esteve dois meses desmontada no meu quarto. A arvore umas boas semanas. Tudo um enorme estorvo. Houve milhentas pessoas a contactar-me sobre a cama mas depois houve sempre um qualquer problema. Ate que, na semana passada, uma menina me contactou e ofereceu 40 pela cama. Aceitei e ela veio busca-la no Sabado. Tendo-a aqui perguntei-lhe se, ja agora, nao queria uma arvore de Natal. Ela aceitou e eu dei-lha.

Mal ela se foi embora, eu sentei-me na sala ao lado do M e fui verificar o meu email secundario (o do OLX e todas as outras coisas que nao quero a encher-me a inbox). E vejo que tenho um email com um dia de alguem que queria a arvore. Em voz alta digo, "Argggh, M, eu nunca vou ser rica!! Como e' que eu nao vi isto antes!!! Havia alguem que queria comprar a arvore de Natal e eu acabo de oferece-la". Ele levanta os olhos do seu jogo e diz-me, "mas tu queres ser rica? nao, pois nao? e a pessoa ficou contente com a arvore".

E pronto. As vezes faz falta a clareza de uma pessoa de 8 anos. 

Tuesday, December 16, 2014

Radiante

O M anda radiante. Passa o tempo a saltar para o meu colo. Doem-me tanto as costas!!  

Monday, December 15, 2014

Amanha

Amanha e' a festa de Natal do miudo aquela em que ele e' a ilustre crianca 2.

Amanha vou ver se escrevo a uma colega de Londres sobre um emprego em Londres.

Amanha almoco com um colega que ja nao vejo desde o verao e com o qual estou um pouco zangada.

Amanha vou a uma aula de ioga.

Amanha e' um novo dia.

Sozinha

Uma noite quando ainda estava gravida, e quem me viu sabe que tinha uma barriga do tamanho do mundo, sentei-me na cama e pensei que nunca mais ia estar sozinha. E' verdade. Para o bem ou para o mal estou sempre acompanhada. E ha momentos em que isso me cansa, outros em que me desespera, mas em todos os momentos, mesmo nesses, tenho consciencia que esta e' a minha melhor companhia. .

Sunday, December 14, 2014

Natal 2014

No Natal, como na vida, há que manter sempre uma nesga de realismo...

Peça de Natal

Ele: amã, mas eu entro na peça de Natal!!!!
Eu: boa!!! E o que é que vais ser?
Ele: uma criança!
Eu: ah, uma criança, que bom! E tens praticado??
 
 ;-)

Should I stay or should I go??

Ficar ou imigrar outra vez e de vez?

Filhos

Acho que a grande frustração da minha vida será o não ter tido muitos filhos. Se pudesse voltar atrás é isto que diria a mim própria. (Isto, e que fazer ginástica é divertido). 

Ao telefone

O M está ao telefone com um amigo. Não estão a dizer nada, mas o M fugiu de mim dizendo, em voz alta, "espera, estou só a fugir da minha mãe ". Agora estão os dois em alta voz , cada um a tocar o seu instrumento, e a rir. 

Friday, December 12, 2014

Rapto

Eu: M! Dá -me a botija!
Ele: não!
Eu: M, já chega, dá-me a botija! 
Ele: não! Escondi-a!! É minha!!
Eu: ok, eu não queria fazer isto mas... se queres voltar a ver o teu mini-Ioshi com vida devolve-me a minha botija.
Ele: olha, que eu expludo a botija...!!
Eu: pois, mas olha que depois recebes uma perninha do mini-Ioshi no correio... 
Ele (choramingando): não faças mal ao mini-Ioshi!!
Eu: se a minha botija for devolvida não lhe acontece nada. 
Ele: okay, vou buscá-la...

Afinal sempre se aprende com a televisão...

Mãe horrível no supermercado

No fim de semana passado fomos ao supermercado. Não gosto de ir com ele porque demoro sempre o dobro do tempo, mas teve que ser. Quando já estávamos quase, e ele já estava farto, fizemos o que fazemos sempre: eu fui acabar as compras, ele foi para o corredor dos brinquedos ver os ditos (e, neste caso por ser Natal, escolher prendas para os primos). Como sempre ficou combinado que ele não falava com ninguém, não saía dali, e que eu ia ter com ele. Dez minutos mais tarde, estava eu nos iogurtes, recebo uma chamada de um número que não conheço. Imediatamente penso, ai, o M! Atendo, é a tia do Gonçalo, da escola, e está com o M que está perdido e à minha procura. Vou buscá-lo, explico e peço desculpa, oiço-a dizer com voz subtilmente incrédula e reprovadora, que "já tinha dito ao Gonçalo que se calhar esta era uma coisa que nós fazíamos normalmente..." e vou-me embora com o M.

Quando já estávamos longe, e depois de saber que ele estava bem e queria apenas mostrar-me os brinquedos que tinha escolhido, desabafo, "ai M, que chatice, agora toda a gente lá da escola vai saber! E vou passar a ser uma uma irresponsável, a pior mãe do mundo! Que chatice!..." O pobre responde, "não vão nada achar que tu és uma mãe horrível!!" 

Ou seja, ando nisto há quase 9 anos, faço tudo e mais um par de botas, e assim, de repente, lá se vai todo o meu trabalhinho!!! 


Adivinhas nunca mais

Eu: Adivinha quem é que eu encontrei hoje??!!??
Ele: O V?
Eu: Não!!!!!!!!!!
Ele: O C?
Eu: Não!!!!!!
Ele: O J?
Eu: Não!!! (suspiro)... Não jogo mais a este jogo....

Sonhos futebolísticos

- Amã, esta noite sonhei com o Benfica!
- ah sim? Boa.
- sim. Sonhei que o Benfica marcava um ganda golo e um pénalti ao... hmm, não me lembro... Amã, com quem é que o Benfica estava a jogar?

Thursday, December 4, 2014

Boy band

Viver com um crio de quase 9 anos é como viver permanentemente num videoclip de uma boyband: ele canta (músicas pirosas sobre o amor), ele dança (com coreografias pirosas), e sempre com a seriedade de um artista profissional. O resultado final é divertidissimo.

De mãos dadas

Eu gosto de andar de mãos dadas. Sempre o fiz com o M. A dada altura da minha vida constatei que, em casa, até à casa de banho íamos de mão dada. No Sábado fomos a um jantar na Baixa. Estacionei longe e havia muita gente, e descemos a Avenida de mão dada. Mas assim que entrámos no restaurante o M soltou a minha mão e recusou-se a voltar a dar-ma. Crescer tem destas coisas. 

Postais de Natal

Ontem estive a fazer dois postais de Natal para enviar aos nossos amigos que moram longe. É uma tradição norte-americana da qual gosto muito. Não foi fácil, mas depois de algum esforço lá escolhi um layout e duas fotos nossas, uma em que ele me está a dar um enorme abraço e a outra em que estamos os dois a fazer caretas. À noite mostrei-lhos:
- olha, M, aqui estão os postais que a amã fez. Gostas?
- ah, não. Não podes mandar este. Estou com um ar apaixonado!!!
E depois, olhando para o das caretas,
-sim, ok, este sim. Manda este. 

Vou mandar os dois, como é óbvio. É que, aqui entre nós, ele está mesmo espectacular na fotografia. Está com ar de absoluta paz e contentamento. Parece-me que não é paixão, é amor 

Wednesday, December 3, 2014

Futebol

No Sábado fomos jogar futebol. Ainda estávamos no aquecimento e eu já tinha apanhado uma canelada que me deixou uma enorme nódoa negra na perna direita. Pouco depois apanhei com uma bolada na cara que me deixou o lábio todo encarnado. Foi um jogo curto. Ganhei.

Saturday, November 29, 2014

Conversas telefónicas

Sei que estou a ficar velha quando saio do banho e constato, estupefacta, que o meu filho está ao telefone com um amigo da escola que telefonou só para falar com ele... Sei que ele está a ficar muito crescido quando ele desata a correr para a sala mal eu entro no carro para ter privacidade enquanto fala.

Friday, November 28, 2014

Boyhood

Fui ver o 'Boyhood' hoje. Que filme tão bom. Mesmo muito bom. É um filme bonito, sem uma história daquelas que têm um climax, sem crimes ou momentos de suspense que nos deixam colados à cadeira. Ao contrário, é um filme que retrata a vida tal como ela é: com pequenos dramas que nos aterram, os momentos que nos fazem felizes e nos transformam mas que, vistos de fora, são apenas parte da vida. É um filme que foi filmado ao longo de 12 anos e tem um personagem principal que cresce em frente aos nossos olhos. Um filme que quase me deixou ver o M a crescer e isso, em certos momentos, deixou-me ansiosa mas que, no fim,me tranquilizou. Vale a pena.

Tempos verbais

O M anda a aprender os tempos verbais, daí ter saído do carro dizendo:

Eu peido-me, Tu peidas-te, Ele peida-se...

Ah, é tão bom aprender!

70 x 7

A escola do meu filho vai aparecer no 70x7, no 70x7!!???!!!! Preferia que fosse na TV Rural...

Wednesday, November 26, 2014

Barrigas e raparigas

Há um ano a palavra "menina" era proibida cá em casa. Agora ocupa um lugar central no vida interna do meu filho. Passamos muito tempo a falar de quem ele gosta, de quem os amigos gostam. É um interesse platónico e que tem mais a ver com rituais masculinos que com namorados: o menos importante é a própria rapariga, e o mais importante são os amigos e o que estes pensam. E ontem ele disse-me, preocupado, que está gordo (apertando a barriga) e que assim se calhar assim não vai ter nenhuma namorada. Ai, crescer é tão difícil. 

Camarões com manjericão

Camarões com manjericão e pasta negra. Foi o jantar de ontem. E ele exclamou imediatamente que não gosta e que não vai comer. Ok, no problem. Mas quero uma peça de fruta. Ok, no problem. E quando entra na cozinha vê as castanhas e quer comer.  Afinal até janta e tudo. E foi assim o nosso jantar. Óptimo!!



Saturday, November 22, 2014

Missa Sta. Cecília

Foi onde eu estive.  Durante 2h que mais pareceram 4h. O crio cantou mas como estava numa das filas de baixo, eu não o conseguia ver. Estar tanto tempo na igreja recordou-me o quanto não sou religiosa e o muito que não gosto da igreja católica. 



Pequeno almoço na cama!!!

A surpresa do dia: pequeno almoço na cama feito pelo meu filho. Isso sim, o pão foi aquecido no microondas durante 1 minuto, ou seja, parte cabeças. Mas o café está óptimo!!!


Wednesday, November 19, 2014

And the Oscar goes to...

Durante todo este tempo achei que devia ganhar um prémio por ser tão convincente em fingir-me interessada pelas conversas de futebol, fifa 15, gormitis, pokemons, etc. Agora percebo que não. Ele é que merece um Óscar por me ter convencido de que a minha reacção interessa. 

Bom dia

"Amã, eu quero é que tu te venhas sentar à mesa e fales comigo!," queixava-se ele esta manhã, ainda não eram 7.30. Um querido, certo?? Não. Ele quer é que eu me sente à mesa para me torturar com perguntas e conversas sobre a Selecção e o jogo de ontem contra a Argentina.  

Tuesday, November 18, 2014

10x/m

Como é que é possível que o M continue a dizer o meu nome pelo menos 10 vezes por minuto??!!?? É que mesmo quando é ele a fazer as coisas, "eu faço tudo sozinho, amã!" não pára de me chamar.; e mesmo quando eu estou a fazer outras coisas, ele acha que estou a ouvi-lo. E em muitas das minhas ocasiões, estou certa de que poderia receber um Óscar pelo esforço de contenção das minhas respostas.

Cair das escadas

Estivemos em casa da minha amiga P. O M caiu das escadas a baixo (diz ele que não tropeçou porque se tivesse tropeçado tinha caído assim "inserir gestos aqui"). Não se magoou muito mas ficou com a perna assim:


Desarrumação

Na sexta-feira à noite, em preparação para o nosso jantar com filme, o M arrumou a sala. No sábado à tarde entra na sala e exclama, "o quê????!! A sala já está toda desarrumada!!! Ainda ontem a arrumei!!!!'

Bem vindo ao meu mundo, filho. Enjoy it,

Friday, November 14, 2014

13 de Novembro de 2014

13-11-14 marca o dia em que regressei ao ginásio. Saí de lá toda partida. Agora é só continuar. 

Tuesday, November 11, 2014

Polacos ultrapassam Belgas!

Isto podia ser uma notícia importante dado o estado da Europa, mas não é. Ao contrario, é uma parvoíce, eu sei, mas os números divertem-me, o que é que posso fazer? Estive a ver as estatísticas deste bloc (como lhe chamava o meu filho) e descubro que esta semana os Polacos ultrapassaram os Belgas e os Americanos!! Grandes Polacos!!! Na verdade suspeito que este blogue tem apenas 7 leitores assíduos. O número é preciso porque a maioria dos posts foram vistos exactamente 7 vezes, e eu imagino que o que aqui escrevo não seja interessante o suficiente para que alguém o leia mais de uma vez. Sermos 7 é bom porque me preocupa expôr a vida do crio (e a minha) ao mundo. Sete é um jantar de amigos, sendo que desses eu conheço (pelo menos) dois. O resto são aqueles amigos polacos, belgas, americanos, alemães, e chineses dos quais eu nunca ouvi falar. McLuhan tinha razão, o mundo é mesmo uma aldeia global. 

Doing research

Acordo às cinco da manhã para me certificar que tenho tudo pronto para a entrevista das 10. Faço mais umas buscas sobre o meu entrevistando (será que se diz assim?) e descubro imensas coisas, algumas que já conhecia, outras que não. É incrível a quantidade de variáveis que este senhor monotoriza, e toda a informação que aglomera, esta vai ser uma boa entrevista! Acordo o crio, dou-lhe de comer, preparo as coisas dele, e vou deixá-lo à escola. No regresso ao computador descubro, para meu horror, que o interview script que fiz ontem desapareceu, sendo substituído por uma versão muito antiga. Ponho-me a revê-lo, rapidamente e já com pouco tempo. Olho para o relógio, decido que vai ter que ficar assim, certifico-me que o software que grava as conversas de skype está a funcionar, e ligo. O meu entrevistando atende prontamente, e diz:

Mas a entrevista não é só às 14.30??!!

Ah, sempre tão bem organizadinha...

Almodóvar, rói-te de inveja!

O cenário é o seguinte:

É uma noite de semana normal, igual a tantas outras, e estamos os dois sentados à mesa a comer um caril de frango de que ele, surpreendentemente, gosta. A conversa é tão banal que não fica na memória de nenhum dos dois. Sem aviso e com o mesmo tom de voz com que me pediria que lhe passasse o sal, se o sal estivesse na mesa, ele diz, 'Amã, lembras-te quando o Howard fica com a pi|a presa, assim?' dobrando o braço e colocando-o atrás do pescoço. A amã tenta não se engasgar é faz um esforço consciente para manter uma expressão neutra enquanto lhe passam pela frente várias opções:

a. ignorar e ir buscar o sal à cozinha porque, afinal de contas, ele não está na mesa
b. acabar com a conversa logo ali, porque estes não são temas para se discutirem à mesa
c. ir para o quarto chorar porque este menino está a crescer tão depressa...
d. desviar as atenções com um, 'ah, mas lembras-te daquele outro episódio em que...?'
e. responder, com o tom mais normal do mundo, que sim, que esse episódio é muito giro
f. inquirir sobre onde exactamente ficou ela presa e o que significa esse movimento de braço

Tudo isto lhe passa pela cabeça no espaço de segundos e opta pelas opções (e) e (f). Responde, ele explica, riem-se os dois, e ele deixa no ar a dúvida de porque é que o Howard quereria usar o braço do robot para agarrar a sua parte privada. A amã não explica mais nada, o tema muda, o jantar continua.

Isto foi ontem à noite, levando-me mais uma vez a ter a certeza que não há filme do Almodóvar que possa superar a minha realidade. E por isso, esta manhã, no duche, perguntei-me se terei lidado bem com a situação: Se não devia ter aproveitado a ocasião para mais uma explicação pedagógica sobre o sexo, a puberdade, etc; se não devia ter aproveitado a ocasião para ver que perguntas é que ele tem; se não lhe devia ter feito perguntas a ele. Ser apanhada de surpresa enquanto enchia o garfo de arroz e caril deixou-me estupefacta e sem respostas, mas já devia saber que esse é o MO do meu filho e que é assim que ele muitas vezes faz as suas perguntas importantes. (Não está esquecida a infame conversa sobre a (não) existência do Pai Natal que tivemos no carro há um ou dois anos.) 

Podia, claro, ter optado pela opção (b) mas esta é uma família a dois. Eu não me posso dar ao luxo de dizer, 'ah, bom, depois falas disso com o teu pai'. O M, ou fala comigo ou fala com os amigos, mas não vai deixar de falar e de ter perguntas. E eu quero que ele saiba que pode falar comigo e preciso que o faça. Preciso porque a puberdade está à porta e com ela a adolescência, o álcool, as parvoíces, as raparigas, o sexo, as drogas, etc, etc. Por isso, e embora considere que conversas de pi|as não são para se terem à mesa, respondo como se nada fosse e depois fico a pensar que devia ter respondido/reagido melhor. Suponho que esta é a melhor forma de, para a próxima vez, estar mais preparada.  

p.s- escrevo 'pi|as' não por ser púdica mas porque não quero evitar que este post apareça nalguma busca do google.

Sunday, November 9, 2014

Eu e o pai dele

- Amã, tu e o far não fizeram sexo, pois não?
- Sim, amor, claro que sim. Já falámos sobre como se engravida.
- Não, estás a gozar! Não fizeram nada! Diz-me a verdade. 
- Amor, estou a dizer a verdade. 
- Vá, não me mintas.diz lá!
- Ó amor, estou a dizer a verdade! Então se eu já te expliquei como se engravida e tu estás aqui, não é?!!
- Sim, mas tu disseste que há outras maneiras...
(Não me lembro disto, mas deve ter sido numa conversa antiga quando o M andava obcecado com coisas que só os homens conseguem fazer e eu, destruindo o seu sonho - porque sou mae mas nao deixo de ser femininista,- falei-lhe de tecnologias reprodutivas).
- Sim, filho, mas tu foste concebido por meios naturais. 
- Não, estás-me a mentir. (A incredulidade toma conta dele)
- A sério, filho. 
- Ah...
- Mas porque?
- Nada...

Ficámo-nos por aqui, que são demasiadas emoções para uma mãe só. 

FDS

Este fim de semana a minha pessoa preferida - a par do M - veio visitar -me é foi óptimo. Estava mesmo a precisar. Não fizemos nada mas fizemos muito: fomos ao laser, ao optometrista, a duas ópticas  ver óculos, trocámos a roupa de verão pela de inverno, tomámos café, arranjámos o cabelo, e ainda deu tempo para umas sestinhas. Ando tão cansada mas estes dias deixaram-me com energia. Obrigada, minha querida I. Adoro -te!!

E hoje, Domingo, ainda deu para ir com o M ao museu de arte antiga, almoçar uma pizza a Carcavelos, e cozinhar para a semana: carne bolonhesa, caril de frango, chili com carne, frango de fricassé, sopa e arroz. Esta semana só me falta o peixe, e os pratos vegetarianos, mas vai dar para congelar. Aqui fica o testemunho. 


Wednesday, November 5, 2014

Pesadelo

Amã, tive um pesadelo
Ohhh! Com que é sonhaste?
Com trolls. Devias ter-me acordado um bocadinho mais cedo!

O meu filho tem tanta confiança nos meus super poderes de mãe que até acredita que eu sei com que é ele sonha.


Carros e camas

Da mesma forma que o carro é o sitio onde o M me apanha para me fazer perguntas difíceis (fica para a história o interrogatório relativamente à existencia do Pai Natal), a cama é onde se permite ser mais pequenino e expressar melhor as suas emoções. É à noite que ele me dá os melhores abraços e que me pede para me deitar ali, só um bocadinho, com ele. É à noite que me prende o pescoço em gancho para eu não me ir embora. E é de manhã que agarra no meu braço, se enrosca à volta dele, e dorme mais uns minutos.

Teoria do Big Bang

Estamos os dois sentados no sofá a ver a Teoria do Big Bang, a nossa série preferida, quando ele diz, 'ele quer fazer sexo com ela, não é Amã?'

Pois é, estamos a crescer. Mas, pelo sim pelo não, ele continua a usar o 'não é, Amã?' quando expressa as suas incógnitas. 

Tuesday, November 4, 2014

Cicatriz Harry Potter

Nos últimos dois dias o M foi para a escola envergando, orgulhoso, uma pequena cicatriz em forma de trovão por baixo da franja. Vai radiante com o seu super poder! Só conta a uns amigos selectos e certifica-se que está sempre bem camuflada. É bom ver quão fácil é fazê-lo feliz. 

Pipoca com sono

Acordei a minha pipoca. Com um beijinho e um gosto muito de ti. Isto mesmo depois de lhe ter garantido que esta semana ainda lhe fazia o mesmo que ele me fez a mim no fim de semana: acordá-lo saltando violentamente para cima dele enquanto grito, acorda! Mas não o fiz, nem o faria, ou farei. Detesto ter que acordar outras pessoas, dormir é tão bom. Dito isto, volto ao quarto dele para lhe dar mais um beijo e ajudá-lo nesta transição para a consciência.

Vitaminas

Depois de algumas tentativas descobri o sitio perfeito para pôr as minhas vitaminas. Já tinha tentado outros - em cima do microondas, ao lado da torradeira, etc - mas nenhum assegurava que me lembro de as tomar pela manhã. O meu novo sítio é foolproof. Dentro da caixa do café, ao lado das cápsulas da nespresso. Agora só me falta arranjar o equivalente para o tal serum anti-rugas que deveria pôr à noite e do qual me lembro todas as manhãs. 

Sunday, November 2, 2014

Ser Espanhol

Quando tinha aí 3 anos o M chorava que não era Português, e berrava que era Espanho. Agora é a minha vez de chorar e berrar...

Combinações a um

Às 8 da madrugada de Domingo...

Eu: M, são 8 da manhã, nós combinámos que só te levantavas às 9!!!
Ele: Só vim a casa de banho!!!
(pausa)
Ele: E eu não combinei nada. Tu é que combinaste!

Muffins de framboesa

Supostamente integrais, mas como não tinha farinha integral usei farinha de arroz





Saturday, November 1, 2014

Namorada?

M: tens namorada?
V: não
Eu: e tu tens namorada?
M: não
Eu: porque não queres ou porque não consegues?
M: porque não consigo. 

Thriller!!

Cá em casa vivemos em pleno videoclip do Michael Jackson, o M não dá cinco passos sem fazer umas moves à Thriller completas com voltas e trabalho de braços.

Banana bread

Nos Estados Unidos come-se muito e nós adoramos. Ficou óptimo. Duvido que veja o Domingo...






Halloween

Será possível que eu seja a única pessoa que não gosta de máscaras, disfarces e mascarados? Assusta-me, o que é ridículo, mas nonetheless true. 

31 de Outubro

Para muitos o dia 31 de Outubro foi o dia de Halloween, para mim foi o dia em que me descreveram como uma "mulher fascinante". To each his own :)

Friday, October 31, 2014

Apontamentos de beleza

1. Após cuidada e longa observação empírica concluo que as unhas da minha mão direita são bastante diferentes das da minha mão esquerda.

2. Ontem à noite pus, pela primeira vez na vida, um serum anti-rugas (um serum, ah!!). Diz que é para usar todas as noites. Já cá vai uma, veremos se chegamos às 10.

3. Conduzir de saltos ajuda a poupar gasolina. Sim, o carro não é de beleza, mas os saltos são.

4. E talvez o mais importante de todos, pensar em inscrever-me no ginásio não faz nada pela minha forma. Parece que é mesmo necessário fazer exercício.

Thursday, October 30, 2014

Tarte de bróculos, queijo mozarela e fiambre

Eu adorei. O M nem por isso, mas comeu.

Receita da minha amiga Yael. 

Responsabilidades

Ontem o M disse que o dia dele tinha sido horrivel, "nem sequer houve um oásis," disse-me ele com o seu inconfundível melodramatic flair. Claro que lhe perguntei o que tinha acontecido. Ele não quis responder, disse que se tinha zangado com uma professora, mas que não me ia contar nada porque já tinha resolvido tudo com ela. Sei, por experiência, que se eu insistir ele se fecha em copas por isso deixei passar. Já em casa ele lá me contou que a causa da sua infelicidade foi a professora de inglês porque ela é uma chata e o obrigou a refazer um trabalho porque , "ela-diz-que-disse-que-era-para-deixar-5-linhas-entre-os-exercicios, mas não disse nada!!". 

É um equilíbrio difícil porque, por um lado, quero que ele me conte e continue a contar, mas por outro, isso significa que não me posso zangar tanto como às vezes me apetece. Zango-me mas com moderação e sempre com uma vertente pedagógica. Mas, enquanto ele me contar estamos bem. 

Pasta com beterraba

O M pode não ter gostado (disse-me que lhe deram comida da escola nesse dia) mas comi os restos hoje e estava óptimo. 

Reviver o passado (parte II)

Fui ver ao Google e o Jeremy Irons entra!! Uff!!! Pelos vistos ha uma serie e um filme, ele entra na serie. Que alivio!!

Pequenas vitórias

Hoje consegui finalmente por o Eudora a funcionar com o Gmail!!!

Os Canadás

Perguntei ao M o que pensava sobre regressar ao Canadá. Fez-se silêncio. Que não, que não quer. Ok, sim pode ser, mas só se eu pedir o telefone aos pais do G, porque ele quer continuar a ser amigo dele mesmo quando forem adultos. E do R também, e do D.

É um querido este meu miúdo. 

O efeito placebo

Ele: É estranho, depois de fazer cocó não sei se limpei bem o rabo, parece que está assim, molhado...
Eu: Como assim, molhado??!!?
Ele  (pondo a mão por cima do rabo): Ah. Sim. Pois. Deve ser placebo. 

Primeiro, há que notar o nível básico das nossas conversas - sobre cócó, não mais. Segundo, há que notar o nível sofisticado das nossas conversas - sobre placebos.

A conversa inicial do efeito placebo foi tida há já uns tempos a propósito de um programa de rádio que gisto de ouvir e que dedicou um episódio a este tema. O M ouviu parte do episódio no carro, antes de adormecer no banco de trás. Depois, já não me lembro porquê, voltámos a falar disso e lá lhe expliquei melhor o que era e como o efeito placebo é muitas vezes mais eficaz que medicamentos. Usei um exemplo inventado mas ele, que está sempre on top of his game, disse-me logo, 'entãoaquele  medicamento que tu me deste no outro dia para fazer cócó era placebo?' E era mesmo! Lá sorri e disse que sim. 

O meu criaturinho às vezes é um bocado hipocondríaco, talvez venha a ser médico, e por isso estas coisas interessam-lhe. Por estas entenda-se o placebo, não o cócó. 

Wednesday, October 29, 2014

Festa de meninas

O M vai, pela primeira vez em muito tempo, a um play date em casa de uma menina da escola dele. As meninas são, normalmente, actores marginais na vida do meu filho. Mas a MB, com o seu amor pelo Harry Potter, conseguiu a enorme proeza de se transformar num (quase) rapaz. Mas é um estatuto precário porque, antes de aceitar o convite, o M certificou-se que o seu amigo G também vai. E assim no Domingo o M vai a casa da MB brincar. 

Eu não tenho cabelos brancos!

Segundo o meu filho.

Ele, a inspeccionar-me a cabeça como se eu tivesse piolhos. 
Eu, o que é que estás a fazer?
Ele, a ver o branco. 
Eu, o branco? Mas eu tenho cabelos brancos?
Ele, indignado e assertivo, NÃO! Na parte onde não há cabelo!

É tão bom ter filhotes!

Artes culinárias

Faço por me esmerar e o menu é variado e inclui pratos como o de ontem: espaqrguete com beterraba, queijo de cabra e nozes. O problema é a falta de treino. Comprei as nozes, pu-las no forno e, claro, esqueci-me delas! Ficaram pretas como o carvão. Resultado, comemos a pasta com amêndoas e estava muito boa. O M reclamou bastante mas quando lhe disse que esta era uma boa experiência para ver o funcionamento dos rins e do sistema urinário, ficou maiis contente. Tudo pela ciência! Mesmo assim diz que tem que começar a fazer o menú comigo...

Dex

Esta manhã vi a Dex. Já não a via desde antes do fim das aulas. Estava a caminho do carro quando a vi, vestida de cor-de-rosa dos pés à cabeça. Pus-me de cócoras e abri os braços, ela olhou para mim um minuto, riu-se e deu-me um fabuloso e longo abraço. O M diz-me que quando a vê na escola ela faz sempre o mesmo: sorri e vai a correr ter com a educadora para lhe dizer, "está ali o M". Diz-me ele que até a educadora já sabe quem ele é! São estes os efeitos colaterais dos nossos fracassos - estas criaturinhas pequenas a quem nos apegamos e que depois desaparecem das nossas vidas. Esta minha Dex, que gritava "Aaaanaaaa!!!" a meio da noite e que dizia que eu era o "amorzinho", estava muito contente ao lado da mãe e da mana. Foi tão bom vê-la!

Monday, October 27, 2014

Memórias

Ontem à noite fiz a cama de lavado. Pus os lençóis azuis, aqueles que vieram do Canadá e que foram comprados há anos infinitos. Comprei-os quando vivia com o F. em College St. Gostava tanto dessa casa que ficava por cima de um restaurante Português de nome Espanhol e onde mandava a sra. Maria e seu marido, o sr. Manuel. A sra. Maria que dizia ao F. que o restaurante ja estava fechado e nao podiam fazer nada, e que 5m depois estava a cozinhar aqueles bifes tal como eu gosto para eu levar para casa. "E racismo!" dizia o F. E talvez fosse mas eu nunca me queixei. A sra. Maria que, mais tarde muito mais tarde, me viu depois de eu estar 4 dias de cama com o rotavirus, aquele poe o pessoal nos cruzeiros todo a vomitar, e me disse sempre optimista e motivadora, "ai, A que podias ter morrido la para cima e ninguem sabia!!". Desses 4 dias lembro-me sobretudo da sensacao de sede. Uma sede tao infinita como um deserto. Não tenho saudades do F, não penso nele, nem vivo nostálgica pelos tempos passados. Pelo contrario, mantenho ordem na casa e o passado ai permanece. Mas ontem, ao pôr os lençóis na cama lembrei-me da música da Adriana Calcanhoto que diz qualquer coisa como "ainda tem o seu perfume pela casa... ainda tem o seu cheiro, dentro de um livro...". Esta foi uma das músicas da nossa separacao. É certamente significativo que eu não me lembre da música de nenhuma das minhas relações, ou seja da "nossa" música, mas que me lembre da da de duas separações ambas já muito antigas. A nostalgia de ontem e' uma saudade do Canada, do meu emprego, da minha vida antiga. Ontem pus os lençóis azuis na cama e recordei.

Organização culinária

Uma das grandes novidades desta temporada é o meu método organizacional culinário. Já aqui devo ter escrito que a coisa que mais me chateia na maternidade é o ter de cozinhar todos os dias. E por cima disso ter de variar nos almoços e jantares. Também estou farta de comer sempre o mesmo e de comer tanta carne. Vai daí este ano (lectivo) entrei em modo hiper-organizado. Ao fim de semana pego nos meus livros de cozinha, sento-me no sofá, planeio o menu da semana e depois faço as compras para o mesmo. Tento que as semanas incluam 2 pratos de carne, 2 vegetarianos e 1 de peixe. Esta organização poupa-me imenso tempo, não só de cozinha mas também a pensar sobre o que cozinhar. E ajuda-me a usar o que tenho no congelador (sou menina para ter o congelador cheio e acabar por ir ao supermercado comprar tudo em quadruplicado). Temos comido coisas óptimas! Muitas coisas de inspiração indiana, pratos de carne diferentes, etc. Ontem por exemplo, fiz os meus primeiros panados (falsos porque não são fritos) da vida e fiz uma adaptação do beuf bourguignon da Julia Childs. Vamos lá a ver quanto dura esta moda.

Manhãs estratégicas

Hoje optei por uma mudança de estratégia. Acordei o M por volta das 7, ele virou-se para o lado e fez aquilo que faz desde que era um bebézinho de colo e queria dormir: aninhou-se pondo os dois braçinhos por baixo do corpo. Depois disse baixinho, eu não quero ir à escola. E eu respondi, está bem, então não vais. A excitação foi tanta e tão imediata que acordou imediatamente. Depois expliquei que hoje não posso ficar em casa com ele mas que noutro dia combinamos e fico. Foi uma manhã fácil e agradável. 

Saturday, October 25, 2014

25 de Outubro na praia

Praia!! Com direito a banhos (em plural!) no mar e tudo. Provavelmente o último banho do ano.

Reviver o passado

Liguei a TV e estava a dar o "Reviver o passado em Brideshead". Repito: o reviver-o-passado-em-brideshead!!!! Fiquei a ver durante alguns minutos e cheguei à conclusão de que, depois de muitos verões a gramar com isto, não me lembro de nada!! Apesar disso tenho uma opinião firme: detesto este filme e é à conta dele que ainda hoje não gosto do Jeremy Irons. Ora, após uns minutos de atenta visualização descubro que é provável que o dito Jeremy não entre sequer neste filme. A memória é uma coisa tramada, passei estes anos todos a não gostar do filme errado.

Friday, October 24, 2014

Odeio este país!

Nao sei onde estava com a cabeca quando decidi ficar. Alias sei, o M esta muito mais contente aqui do que em qualquer outro lado. E eu quero que ele esteja bem. Mas Portugal nao da. Nao da para trabalhar num país sem regras e em que a justiça não funciona. Não é possível. Estou tão furiosa comigo mesmo por ter decidido ficar, por ter achado que seria melhor pcolocar a minha vida pessoal à frente da profissional. Tentei e nao da. Nao e suficiente. Vou começar a trabalhar na partida. 

Thursday, October 23, 2014

I've got the moves like Jagger

M a cantar "I've got the moves like Jagger" no duche: i've got to move my jacket!!!

Ever so gentle

Bom, bom é acordar de manhã ao som de, "Amã! Amã!!!! Levanta-te!!!" dito em tom autoritário e irritado. O despertador tocou, eu devo tê-lo desligado e continuei a dormir. Salvou-nos o M que acordou às 7.40 e, com tremenda falta de gentileza, me acordou a mim. Chegámos a horas da escola e do teste de matemática e ainda tive tempo de lhe dar um abracinho, mas tenho umas dores de cabeça tremendas.

Wednesday, October 22, 2014

CVs

Tenhocada vez mais saudades de Toronto: da distância, do meu escritório, de ser professra, de dar aulas, de me sentir competente. Ultimamente sou assaltada por ondas de medo de ter decidido mal, de dever ter ficado lá. Tenho que mandar CVs, um deles já devia ter sido enviado há umas semanas, e não consigo fazê-lo. Não sei se tenho estrutura para ouvir o "não" e, por outro lado, não sei mexer-me neste mundo académico em que não há concursos nem regras mas sim conversas e cafés. O medo paralisa-me. 

Vou dormir. 

Leitores

O bom de ter leitores é saber que nos leêm; o mau de ter leitores é saber que nos leêm.

Festejamos o fim de ano já, por favor?

Ainda lhe falta um terço mas o ano de 2014 já ficou para a história como um dos piores da minha vida. Nunca visitei tantos hospitais como este ano, nunca passei tanto tempo em hospitais como este ano, nunca tive tantas pessoas da família doentes como este ano. SFX, S. José, Sta. Maria, Cruz Vermelha, centro de saúde, e mais alguns cujo nome não me quero lembrar. Tudo doente, operado, ou internado. M, eu, mana, mãe, tia. Dias e semanas que se foram somando em meses passados em hospitais que nunca quis conhecer. Horas a falar com médicos, uns muitos simpáticos e outros imbecis e arrogantes como só os médicos conseguem ser. Um cansaço e umas dores de cabeça incapacitantes. Agora um período de calma e a certeza de que 2015 TEM de ser melhor.

Mãerónios

Ontem o M foi para a cama às 20.30, leu um bocadinho e apaguei-lhe a luz ainda não eram 21h. Ora, eram quase 22h e ainda estava ele espertíssimo na cama, a cantar, a dar voltas, e a rir. E claro, houve pelo menos duas idas - urgentes!!! - à casa de banho. Numa dessas idas à casa de banho consegui, mais uma vez, convencê-lo dos meus poderes mágicos quando lhe digo, "M, corta os bocados de papel maiores! Já te disse que é melhor!". Ele perguntava, "amã, mas tu estás onde? Como é que sabes? Como é que consegues ver?". Tudo boas perguntas mas a resposta é que metade dos meus neurónios foram substituidos por "mãerónios" cuja única função é prestar atenção às coisas do crio e casa sendo por isso inúteis para "trabalhar". 

O lugar na sala de aula

O M mudou de lugar na sala de aula. Acontece frequentemente e ele nunca se queixou. Mas agora está sentado ao lado da MT e queixa-se, diz que ela fala muito, que lhe está sempre a dizer que não se pode fazer assim, que ele está a fazer mal as coisas e que vai dizer à professora. Ou seja, que não o deixa concentrar-se. Depois diz outras coisas, por exemplo, "além disso ela gosta de um dos meus amigos!!" Perguntei-lhe se queria que eu falasse com a professora e respondeu-me que sim. Parece um bocado de mãe galinha mas é muito anormal o meu filho pedir-me para falar com a sua  professora. Normalmente quando eu digo que vou falar à escola ele desfaz-se em desculpas e pedidos, que não, que não é nada, que está tudo bem, que não é preciso. Por outro lado, já tinha pensado ir falar à escola porque gosto sempre de dar lá um saltinho no 1o período. Chamam-lhe um 'marcar o ponto,' um mostrar que estou presente e que presto atenção. Isto é capaz de ser uma parvoíce minha, mas sendo professora acho que faz efeito - não só na escola como também no meu filho. (Sem ser chata, ou seja, não fico lá duas horas a discutir todos e quaisquer problema do meu filho, nem faço queixas, é mais um certificar-me que tudo corre sobre rodas ou fazer alguma questão pontual). E assim ontem lá falei com a professora. Ela disse-me aquilo que eu suspeitava, que colocou o M ao lado da MT porque ele é bom aluno, tem uma boa capacidade de concentração e sobretudo não dá troco a tontices. Mas mostrou-se preocupada por o M estar a ter dificuldades em gerir a situação, agradeceu e disse que ia resolver o assunto.

Esta manhã vimos a MT a sair do carro. Ele apontou-ma e eu disse, "ah, a do laço amarelo" ao que ele respondeu com um suspiro, "sim, vês..."


Maçãs

Vamos fazer disto um exercício matemático. Na 2a à tarde uma mãe comprou 22 maçãs, na 4a de manhã já só há 10. Quantas maçãs é que haverá na 6a à tarde?

Resposta: Mais vale alimentar um burro a pão de ló. Mas, as maçãs são pequenas, doces e maravilhosas.

Tuesday, October 21, 2014

Sniper

Está muito calor em Liaboa e eu tenho uma arma nova na minha luta contra a insectagem: as minhas mãos. Foi com elas que esta noite dei cabo de 3!! Infelizmente nenhum deles era mosca (dois eram mosquitos e o terceiro por identificar mas confirma-se que voava). Se as alterações climatéricas continuarem nesta direcção o futuro estará cheio de insectos voadores. 

Almoço

Hoje fui almoçar com um amigo. Ele veio buscar-me a casa para me mostrar o seu bólide: um descapotável antigo, uma réplica de um Lotus dos anos 50 (perguntei, daí o conhecimento) daqueles que tem um motor comprido e não têm portas. Se fosse uma gaja mais cool podia ter feito como nos filmes e dado um pequeno (e gracioso) salto para entrar mas temi que a parte do gracioso não me caísse bem. Não sou fanática por carros e por isso esta parte é menos importante do que a que se segue. Dei-me conta de que ainda tenho um bocado de medo de andar de carro. Em cidade, num carro baixinho, rodeada de autocarros, e com um motor potente, assusto-me. Lembra-me o meu acidente. 

O almoço foi óptimo. Fui a um restaurante que não conhecia, o Justa Nobre, e comi super bem. Mais, fizeram uma coisa que cá em Portugal é pouco usual: eu pedi um caril de camarão com favas e quando estava a comer vi que no prato havia aquilo que me pareceu ser um fio. Pensei que era das favas e não liguei. Quando já estava a meio percebi que era um fiozinho de metal. Pus de lado e continuei a comer. Quando o senhor veio tirar os pratos olhou para o tal aramezito e tocou-lhe. Eu expliquei que vinha nas favas. Ora, normalmente em Portugal nao aconteceria mais nada, mas passados uns 5m apareceu o dono do restaurante junto à nossa mesa a pedir desculpas e a prguntar como me podia compensar. Não sei se ofereceu qualquer coisa (não paguei nem vi a conta) mas assumo que sim. Fiquei fã do sitio e do serviço. 

Telheiras

Hoje perdi-me em Lisboa. Em si isto nada tem de anormal visto que eu, embora esteja muito melhor do que há três ou quatro anos, ainda me perco muito. O que é significativo é que me perdi numa parte de Telheiras que não conhecia e da qual gostei muito. Quando quiser mudar de casa esta é uma zona a considerar.

Educação, ou 'preciso-de-uns-minutos-para-mim-e-tu-tens-que-descansar-senão-amanhã-estás-uma-peste'

O M tem uma maneira subtil e eficaz de me fazer sentir culpada em menos de 5 segundos. Esta manhã foi assim:

Ele: porque ontem à noite ia mostrar-te mas depois tu gristaste...
Eu: ias mostrar o quê? eu gritei??!!??
Ele: ia mostrar-te mas tu gritaste.
Eu: mas ias mostrar-me o quê?? e eu gritei??
Ele: sim, tu à noite gritas sempre...

E pronto. É suficiente. Passo de boa mãe a pior mãe do mundo (no meu escalão) em menos de nada. Mas, como já ando nisto há uns tempos, decido perceber de que forma estou a traumatizar a minha criança e também, se posso aprender e melhorar.

Eu: eu grito sempre à noite?? grito sempre à noite?? mas quando????
Ele: falas a gritar sempre quando eu já estou deitado e quero levantar-me

Ah, ok. Consigo viver com isto. Chama-se 'preciso-de-uns-minutos-para-mim-e-tu-tens-que-descansar-senão-amanhã-estás-uma-peste.' Acho que às vezes também dá pelo nome de 'educação.' (Mas mesmo assim vou prestar atencao aos décibeis).

(Nota: Nunca cheguei a saber o que é que ele me ia mostrar. Pelas últimas frases que ouvi, antes de desligar e começar a pensar se tinhamos tudo o que precisavamos antes de descer as escadas, acho que tinha algo a ver com um novo golpe de judo. Ou seja, muito indicado para quem já está na cama há 30m. Mas acho que o berro, se o houve, teve a ver com o facto de ontem a noite quando eu andava pela casa a arrumar sapatos, dobrar t-shirts, lavar a loiça, etc, ter ouvido alguém a dizer alto e bom som: "amã, olha o barulho! Há pessoas que estão a tentar dormir aqui!" seguido de risos)

Guerra

Começo a perceber a frustração dos americanos com a guerra contra o terrorismo. O caraças das moscas não morrem!!!

Monday, October 20, 2014

21.30

São 21.30 e estou alapada no sofá com a ventoinha ligada pela primeira vez este ano. Já passei a ferro, fiz o jantar de hoje e o de amanhã, dei de jantar a dois putos, preparei a mochila do judo e o almoço de amanhã do M. Já brinquei com espadas e a atirar meias. Estou morta, está um calor de morrer e tenho os pés inchados (coisa que nunca acontece). Por isso agora vou dar uma de good wife e disfrutar do meu copo de vinho tinto.

Nerdismo

Já suspeitava que cá em casa éramos um pouco nerds mas agora tenho a certeza. Um dos jogos que costumo jogar com o M é o jogo dos países. Escolhemos uma letra e depois dizemos nomes de países que começem com essa letra. No outro dia levamos o jogo à fase seguinte, peguei numa folha de papel e começámos a apontar países para todas as letras do alfabeto. Usámos a folha duas vezes (dois almoços) e quantos países temos? 152. Segundo a wikipedia há 196 países no mundo (contando com Taiwan) ou seja, não estamos nada mal!!

Fim de semana II

No Domingo, depois de ter limpo as casas de banho, ter posto  maquinas da roupa a lavar, ter recolhido e estendido uma dessas maquinas, decidi ir com o M almocar a Expo de bicla. Ele disse que sim. E por isso, vesti-me, pus ar nos pneus, enchi as garrafas de agua, levei as duas bicicletas para baixo ao ombro e la fomos nos. Andamos 5 metros ate o M dizer que "ah, sabes, e' que, sabes, nao quero andar, tenho medo, ha' muita gente..." E por isso voltamos para tras, subi as duas bicicletas dois andares ao ombro, esvaziei as garrafas de agua, mudei de sapatos e aproveitei, claro, para estender e recolher mais uma maquina de roupa. Perfeitico.

p.s- nao sei muito bem como lidar com este medo irracional do M pela bicicleta. Nao consegui evitar ficar furiosa mas ainda assim acho que me controlei. Insisti. Expliquei. Mostrei-lhe quer era perto e que iamos quase sempre em ciclovia. Nada. Ele permaneceu inamovivel. Eu quando era miuda tinha um medo de andar de bicla que me pelava. Teria a idade do M quando aprendi e foram precisos muitos (muitos, muitos) berros do meu pai. Odiava a bicicleta. E nao quero fazer o mesmo ao M. Mas por outro lado parece-me tao tonto nao podermos ir os dois dar umas voltas.

Sunday, October 19, 2014

Um mês

Um mês foi quanto duraram os sapatos e a mochila do M. Vai ser um ano caro.

Fim de semana

Sábado: Corte inglês para comprar sapatos para o M; passar a ferro.

Domingo: 3 máquinas de roupa, 2 cargas de roupa estendidas e recolhidas; roupa dobrada; 2 casas de banho limpas; cozinha aspirada; mochila comprada; jantar e almoço de amanhã feitos.

Sábado e Domingo: entreter uma criança de oito anos que só quer passar o dia inteiro em frente à televisão mas que, em simultâneo, não quer passar o dia inteiro em frente à televisão. 

Preciso que chegue a segunda feira para descansar...  

War of the flies

Sei que todos os meus leitores (tu M!) estão cheios de vontade de saber como corre a minha guerra contra as moscas. Elas são traiçoeiras, mudando para sítios como a máquina do café, e nunca cheguei  a conseguir exterminá-las. Ainda asim consegui reduzir significativamente o seu número. Até o calor decidir voltar. Esta manhã havia muitas mosquinhas na minha cozinha e tive que recorrer mais uma vez à minha arma secreta: o aspirador. Volto a escrever sobre isto quando houver novidades. 

Saturday, October 18, 2014

Filmes

Eu vejo um filme no computador. Ele vê um na televisão. E de 5 em 5 minutos faz-me perguntas sobre o filme dele. 

Thursday, October 16, 2014

Animismo e budismo

Uma das muitas coisas que gosto no meu filho é de ele ser sensível. Hoje vimos parte de um filme em que um homem cego faz uma operação, deixa de ser cego mas depois tem complicações e volta a cegar. Isso impressionou o M que me disse que aquele não era um filme muito feliz. Respondi-lhe que me parecia que o senhor do filme parecia estar em paz com ele mesmo, e que me parecia feliz. Expliquei-lhe que o filme era baseado numa história real e que no fim ele se tinha casado com a rapariga de quem gostava. Disse-lhe que ver é importante mas que há outras formas de ser no mundo e de se ser feliz. E depois disse que, para mim, a parte mais triste do filme era o pai dele tê-lo abandonado quando ele era cego e ter voltado a ir-se embora quando descobriu que ele ficar cego outra vez. 

O M fez aquilo que faz quando lhe apetece chorar, afastou-se um pouco e pos-se de costas para mim. Eu fui atrás dele dizendo que há muita gente tonta no mundo mas que nem eu nem ele somos assim. Ele não quis falar e eu deixei o assunto cair. 

Quando fui pô-lo na cama disse que lhe queria dizer algo, e ele a mim diise ele mas não sabia se conseguia. Insisti, ele não quis e eu deixei-o estar. Falei-lhe outra vez daquele pai e de ele estar triste, e do facto de haver gente má no mundo, e de ser normal, compreensível, expectável ele ficar triste com isto. E ele disse que já noutro dia tinha acontecido, quando o Sheldon so 'big bang theory' pediu ao pai natal para lhe trazer o seu pop-pop (avô) de volta. E começou a chorar. Disse-lhe que percebia que isso o fizesse chorar e que embora eu não possa protegê-lo do mundo vou sempre estar lá, ao lado dele, para o ajudar. 

Estava já a apagar a luz quando lhe perguntei se ele nao me queria mesmo contar. E ele contou. Disse que se nós tomassemos melhor comta do mundo o mundo seria um sítio melhor, com menos poluição, menos guerras e com mais pessoas felizes. Mas tomar conta do mundo significa tomar conta de todas as coisas, não é só das pessoas. Por isso ele gosta de tratar bem as coisas. Ele dá pontapés à bola mas é só porque a bola gosta. Disse que sabe que eu não penso assim mas que ele sim. Lembrei-me de ele a pedir desculpa ao pacote de leite depois de lhe ter dado um toque com o pé, de ele chorar tanto este verão por causa do passarinho que caiu do ninho, de chorar quando a toupeira do livro ficava sozinha a olhar para a lua, de não deixar que se faça mal a um animal. O M sempre teve este espírito antropomórfico. Aliás não é bem antropomorfismo porque ele não acha que estas coisas são pessoas, acha apenas que os humanos não são os únicos detentores da capacidade de sentir. É a-moderno nesta sua capacidade animista e de estender a agência a não-humanos.  E por isso falei-lhe do budismo e ele ficou contente. Quando ele crescer falar-lhe-ei da minha investigação e de actor-network theory. Mas para já fico apenas contente por estar a criar uma pessoa com um coração tão grande e tamanha capacidade de empatia. 

Feicebook

Hoje uma amiga escreveu-me a dizer que talvez fosse fazer um trabalho com um "amigo" comum. Um amigo que não vemos há mais de 20 anos. Queria confirmar se era ele. Eu e ele somos amigos no FB e por isso soube dizer-lhe onde ele tinha trabalhado, que mudou de emprego e para que área mudou, quantas filhas tem e alguns eventos das vidas delas, onde vai passar férias, o nome da mulher, onde mora e que o condomínio tem piscina. Eu mal conheço esta pessoa e no entanto sei dele como se fossemos amigos de longa data. A quantidade de informação que partilhamos sobre nós é assustadora. Pergunto-me o que se conseguirá saber de mim através das pegadas digitais que vou deixando na net (inclusive aqui). Não sei se isto é bom ou mau mas, para mim, não deixa de ser desconcertante.

Wednesday, October 15, 2014

Apresentação

A minha talk de ontem correu bem. Muito bem até. Estive a escrever das 5.30 da matina até às 19; falei das 21 às 22.30; cheguei a casa às 23h. E adorei! Tenho tantas saudades de dar aulas, de falar com alunos, de apresentar material novo, de me forçar a pensar e a escrever, da disciplina que vem com estar em frente aos alunos  duas vezes por semana. Posso muito tempo a achar que sou eu, que o meu cérebro anda a funcionar mal, que perdi qualidades intelectuais e cognitivas, mas se calhar não é só isso. A verdade é que a nível profissional Portugal representa uma tremenda demoção e faz-me falta ter com quem trocar ideias, a quem apresentar, quem me imponha deadlines e disciplina. Tudo isso me daz falta. E eu gosto TANTO de dar aulas.

Tuesday, October 14, 2014

O BES e o Ricardo Salgado

No Sábado, no carro, ali entre Entrecampos e a Avenida de Berna, expliquei ao M o funcionamento dos mercados financeiros e como é que o dinheiro (de quem tem bastante dinheiro, ou pouco dinheiro mas investido) pode desaparecer de um dia para o outro. Às vezes até eu própria me surpreendo com as minhas explicações. Não sei se ele percebeu tudo, mas algo terá ficado.

Post 600 e a procrastinação

Dantes quando tinha uma palestra (talk) começava a preparar-me semanas antes. Quando o dia finalmente chegava sabia tudo de cor, para trás e para a frente. Ainda me lembro da primeira vez que fui à 4S. Soube que o meu paper tinha sido aceite (e que me tinham dado uma bolsa) no Verão, estava em Sagres com a minha amiga M, e fiquei nervossisima. Depois comecei a preparar-me uma semana ou uns dia antes. Agora não. Agora começo no próprio dia e mesmo assim, só umas horas antes fico realmente nervosa. Podia ser bom, se não fosse a qualidade das ditas talks ter baixado significativamente... Ai, vou trabalar!

p.s - Fica nota de que este é o post 600!!! Já aqui escrevi 600 coisas, todas elas de grande valor, claro! Ontem à noite, quando já estava de luz apagada no quarto do M a dar-lhe um beijinho, ele pediu-me para lhe contar histórias do meu blogue que, diz ele, "é brutal!!" E ontem noite também, momentos antes ou depois desta conversa, ele pôs-me os dois braços à volta do pescoço, disse boa noite, e depois perguntou-me curioso, "como é que vais conseguir sair daqui quando eu adormecer?" Já disse isto 500.000 vezes mas nunca é demais, gosto tanto deste meu pequeno criaturo.

Franciús

Ó Franciús que veêm o meu blogue mais do que qualquer outra gente, quem sois vós???

(Estou a preparar uma apresentação ou seja, sinto uma tentação irreprímivel pela procrastinação...)

Monday, October 13, 2014

Feliz

O M sai do banho cantando,

"Eu estou a sair do duche
E estou contente
Com tudo
Na minha vida"

É tão bom registar estes momentos

Marcos historicos

Este sabado (11 de Outubro de 2014) o M comecou a usar desodorizante!

E, se eu tenho saudades do meu bebe, que tenho e sao muitas, acho que me encontro preparada para esta nova fase em que podemos fazer coisas como ir a Gulbenkian juntos. Especialmente agora que o substituto chorao do meu filho que fez as vezes dele durante o fim do Verao se foi embora e o meu filhote de sempre voltou.

Ida à Gulbenkian



Fomos à Gulbenkian e correu bem. Antes de entrarmos no auditório o M disse-me que ia comer um dos snacks que lhe levei e que guardava o outro para comer la’ dentro, expliquei-lhe que isso não era possível e que também não ia poder falar comigo. Esta ultima afirmação indignou-o! Respondeu-me que ele QUERIA falar comigo!! Mas correu optimamente bem. Não falou, não fez barulho, tossiu nas pausas, e ensinou, a quem quis ver, as 1001 maneiras de se sentar numa cadeira. Como não estava ninguém sentado ao nosso lado não houve problema nenhum. 


A primeira parte do concerto foi dura porque era de um compositor Russo (que nao conheco) e a peca principal chamava-se ‘dancas e cancoes da morte’. O nome diz muito. Era uma musica muito bélica da qual não gostei muito. Já a segunda parte era uma selecção de partes de “O Lago dos Cisnes” de Tchaikovsky e foi lindo. Eu gostei mais que ele, sem duvida, mas ele também gostou e ate reconheceu algumas partes. Falei-lhe daquela enorme e maravilhosa janela de onde se ve o jardim da Gulbenkian e que, durante os concertos, parece um quadro-vivo que vai mudando lentamente; e do facto dos contra-baixos tocarem em notas diferentes; e das diferentes sensações que a musica cria em nós por exemplo, quando é mais lenta ou mais rápida. E ele ouviu e disse que já sabia tudo, mas ouviu.



Antes de entrarmos certifiquei-me que ele me ouvisse a dizer a uma serie de pessoas que tinha a certeza que ele se ia portar bem, porque ele se porta sempre bem. O positive reinforcement funciona muito bem com o meu crio.

Enfim, estamos aptos a voltar ate porque se o Mathias era, sem duvida, o espectador mais novo, eu própria me senti uma jovem, e convenhamos, já não há muitos sítios onde possa dizer/sentir isso!

Friday, October 10, 2014

Piadinhas em ingles

Ontem quando fui buscar o M a escola pus-me a falar com os pais do D que me disseram que no dia anterior se tinham rido muito ao jantar com a piada do M na aula de ingles. Parece que a professora lhe pos o seguinte cenario: imagina que a tua casa esta' toda inundada, como e' que te sentes? Ao que ele responde, tranquilamente, "I'm ok, I know how to swim!"

Uma boa resposta de alguem que tem sempre uma logica implacavel.

Dilemas da vida moderna

Aos 8 anos o M nunca comeu uma pastilha elástica. Acho desnecessário, detesto ver pessoas a mascar pastilhas, ele nunca insistiu muito, por isso nunca o deixei. Entra a terapia da fala. O meu ratinho que é muito espertinho esperou até estarmos sozinho, à noite, para comentar, en passant, que a terapeuta tinha dito que comer pastilha elástica era um bom exercício (a par do beber por palhinha e fazer exercícios com Cheerios). Não insistiu, deixou a sugestão no ar, e eu fiquei a pensar nisso.

Eu já sabia que ele tem pouca dextridade de língua, lavar-lhe os dentes sempre foi um inferno. E, faz sentido que a pastilha elástica ajude.. Estes dilemas da vida moderna... 

Concertos na Gulbenkian

Esta noite vou levar o meu filhote ao seu primeiro concerto - de música clássica, tenho de clarificar, porque o M é muito insistente em contabilizar aquele concerto dos Belle & Sebastien a que fomos no ano passado e no qual ele adormeceu após uns longos e inteiros 5 minutos. Não sei se ele vai aguentar o concerto inteiro, nem se vai gostar, mas isso é o menos importante. O mais importante é que ele tenha contacto com formas de expressão artísticas e musicais diferentes daquelas que dão no Panda Biggs ou na rádio Comercial. Digo isto com a plena consciência de que eu raramente ouço música em casa e de que costumo ter a rádio sintonizada na Comercial. Aliás, também por isto é importante para mim levá-lo à Gulbenkian.

Também com este intuito decidi que este ano vou levá-lo a um museu novo todos os meses. No Canadá íamos muitas vezes a museus - os museus são quentinhos e no Inverno não dá para andar na rua. Tanto era assim que quando chegámos a Lisboa o M perguntava-me, 'amã, a que museu é que vamos este fim de semana?' (Nas primeiras férias de Verão do M em Lisboa eu arranjei uma babysitter por 15 dias e fiz um programa para eles que incluía vários museus). Só que em Portugal há muitas coisas para fazer, tanto no Verão como no Inverno, e temos os fins de semana mais ocupados, passamos mais tempo ao ar livre, passamos mais tempo em casa de amigos. O resultado é que este acabou por ser um dos bons hábitos que fomos perdendo e que gostaria de recuperar. Em Setembro fomos ao CAM (a arte moderna é melhor para o meu crio do que a arte antiga porque tem muitas vezes uma vertente mais interactiva e ele gosta sempre das instalações), ainda não decidi onde iremos em Outubro.

Não pretendo que o M à tenra idade de 8 anos seja um pequeno intelectual ou um pequeno virtuoso. Mas tenho consciência de que estes são hábitos que se criam em novo. Mais tarde ele fará as suas escolhas, por hora vem comigo.